Facebook Google

quinta-feira, 9 de setembro de 2021

Modelos de termo de acordo

Modelos de termo de acordo
By Equipe CEDRUS - 09/09/2021


Termos de Acordo ou Confissão de Dívida são documentos que a empresa que realiza a cobrança emite para o cliente após uma negociação bem sucedida.  O termo de acordo é um compromisso com o pagamento da dívida naquela negociação. Ele pode ser gerado automaticamente pelo sistema de cobrança levando em conta o histórico da dívida e a negociação realizada, por isso, as informações alimentadas pelos operadores são importantíssimas nessa configuração do Termo de Acordo. Falamos sobre este tema neste texto

Feita essa formalização é necessário que ela seja enviada - por correio eletrônico e/ou físico - para o cliente. O pagamento, mesmo que seja da primeira parcela da dívida, pode configurar o aceite desta negociação. Por isso o nome alternativo de “confissão de dívida”. A rapidez na estruturação e envio do Termo de Acordo é uma das boas práticas em cobrança, que traz mais garantias para os credores.

Em seu sistema de cobrança é possível cadastrar diferentes tipos de Termos de Acordo e com a ajuda de coringas e palavras-chaves é possível usar cada um deles nas diferentes situações, personalizando e incluindo os dados de cada credor e seus devedores. Reunimos alguns modelos para inspirar e orientar melhor você a redigir seus próprios.   


1. Modelo de Termo de Acordo 1


ACORDO PARA PAGAMENTO DE DÍVIDA

De um lado, (NOME, QUALIFICAÇÃO E ENDEREÇO), e de outro lado, (NOME, QUALIFICAÇÃO E ENDEREÇO), têm entre si, justo e contratado, o presente acordo para pagamento de dívida, que se regerá pelas cláusulas abaixo:

Cláusula 1

As partes acima nomeadas e qualificadas, não tem o intuito de novar as obrigações descritas abaixo, o objetivo do presente instrumento é ajustar detalhes para o justo e devido pagamento da dívida.

Cláusula 2

O _____, é o titular do crédito no valor R$ _____, originado das seguintes operações: (descrever).

Cláusula 3

O DEVEDOR, _____, admite o débito acima para com o CREDOR, calculado de acordo com os respectivos instrumentos de crédito e as normas do mercado, respondendo inclusive pelos encargos do inadimplemento.

Cláusula 4

A dívida ora confessada será registrada em conta única, apenas e tão somente para facilitar o cálculo e possibilitar o esquema de liquidação adiante estabelecido.

Cláusula 5

Para o pagamento das dívidas ora confessadas, o CREDOR concorda em receber a importância de R$ ______, sendo Entrada de R$ _________ e o restante dividido em _____ parcelas, exigíveis no dia _____ vencendo a primeira em __/__/__, e a última em __/__/__.

Cláusula 6

Os valores lançados na conta única, criada para o presente acordo, para pagamento de dívidas, sofrerão incidência de encargos denominados básicos, calculados com base na Taxa Básica Financeira - TBF, na forma regulamentada pelo BACEN - Banco Central do Brasil, ou outro índice que legalmente venha a substituí-la.

Cláusula 7

A liquidação das dívidas de que se trata acima fica expressamente condicionada ao cumprimento integral da conta única acordada na cláusula 5, nas datas ali determinadas, acrescidas dos encargos previstos na cláusula 6.

Cláusula 8

Em caso de descumprimento deste acordo, serão exigidos, a partir do inadimplemento e sobre o valor inadimplido, os encargos financeiros abaixo descritos: (descrever).

Cláusula 9

Para segurança da dívida ora confessada o DEVEDOR dá ao CREDOR, em caução, uma nota promissória de sua emissão no valor de R$ _____________________, avalizada por (nome completo e identificação).

Cláusula 10

Os pagamentos a que se obriga o DEVEDOR serão efetuadas no escritório do CREDOR identificado no preâmbulo deste instrumento.

Cláusula 11

As partes elegem o foro da comarca de ____ para dirimir quaisquer dúvidas oriundas do presente instrumento, facultando ao CREDOR o direito de optar pelo Foro do domicilio do DEVEDOR.
E por assim estarem justas e contratadas, declaram-se cientes e esclarecidas quanto aos teor das cláusulas deste instrumento, firmando-o em duas vias de igual teor e forma, na presença das testemunhas abaixo, para que produzam os devidos e legais efeitos.


_________, ___ de ___________ de ____.

______________________
CREDOR
_____________________
DEVEDOR

Avalista:
_______________________



2. Modelo de Termo de Acordo 2


CONTRATO DE CONFISSÃO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDA 

Pelo presente Termo e na melhor forma de direito, as partes abaixo qualificadas: DEVEDOR: (Nome, nacionalidade, profissão) residente e domiciliado na Rua (endereço completo com CEP), inscrito no CPF/MF ou CNPJ/MF n.° ___________________, doravante simplesmente denominado DEVEDOR e CREDORA: (empresa), pessoa jurídica, com sede (ou filial) localizada à ______________________ - Bairro ________, na cidade de ____________ SC, inscrita no CNPJ nº. _______________, doravante simplesmente denominada CREDORA, resolvem firmar o presente Contrato de Confissão e Renegociação de Dívida, que se regerá pelas cláusulas e condições descritas a seguir: 

Cláusula Primeira – Através do presente, reconhece expressamente o DEVEDOR que possui uma dívida a ser paga à CREDORA, consubstanciada no montante total de R$ ___________________ (__________________) que devidamente atualizada com juros e correção monetária, perfaz a quantia de R$__________ (________________________), e que quitará este valor conforme as condições previstas neste contrato. 

Parágrafo primeiro – O DEVEDOR(A) neste ato, declara que o débito total será pago, inteiramente nos termos do presente instrumento, obrigando-se a efetuar o pagamento de __________ (_______________) parcelas, sendo a primeira paga no ato e em espécie, no valor de R$ __________ (___________________________________), e as demais ______ (______________) parcelas restantes no valor de R$ _________ (___________________________), sendo pagas sempre no dia ___ (_____________) de cada mês, iniciando a primeira em ___/___/________ e finalizando a última, à data de ___/___/________, diretamente no estabelecimento da CREDORA, no endereço já mencionado acima, nesta cidade, sendo sempre tais pagamentos efetuados em espécie. 

Parágrafo segundo – Por outro lado, a CREDORA compromete-se a dar baixa no que diz respeito exclusivamente ao débito ora confessado, excluindo o nome do DEVEDOR do Banco de Dados do SPC ou órgão que o valha, na oportunidade em que este(a) efetuar o pagamento da 1ª parcela ou, em caso de pagamento com cheque pós-datado, assim que este for devidamente compensado. 

Cláusula Segunda – O crédito que a CREDORA possui contra o DEVEDOR é originário da compra de _________________________________________________. 

Cláusula Terceira – O não pagamento de qualquer parcela mencionada, fará com que o DEVEDOR incorra em mora, sujeitando-se desta forma à cobranças extrajudiciais ou judiciais que se fizerem necessárias, com incidência de juros de 1% calculados sobre o mês de atraso, e cláusula penal de 10% sobre o valor devido, além dos encargos e honorários advocatícios advindos da cobrança até a data do efetivo pagamento, sujeitando-se ainda ao registro de seu nome no Serviço de Proteção ao Crédito – SPC. Cláusula Quarta – O presente contrato passa a vigorar entre as partes a partir da assinatura do mesmo. Cláusula Quinta – O presente é realizado em caráter irrevogável, irretratável e intransferível, o qual obrigam as partes a cumprí-lo, a qualquer título, bem como seus herdeiros e sucessores. Cláusula Sexta – Para dirimir quaisquer controvérsias oriundas do presente contrato, as partes elegem o foro da Comarca de _____________ SC. Por estarem, assim justos e contratados, firmam o presente instrumento, em três vias de igual teor, juntamente com 2 (duas) testemunhas.

____________ UF, _____ de _______________ de __________. 

___________________________
DEVEDOR
CPF
___________________________
CREDORA
CNPJ
___________________________
Nome:
TESTEMUNHA 1
___________________________ 
Nome:
TESTEMUNHA 2




3. Modelo de Termo de Acordo 3


Pelo presente instrumento, de um lado (nome), (nacionalidade), (estado civil), (profissão), inscrito(a) no CPF sob o nº (informar) e no RG nº (informar), residente e domiciliado(a) à (endereço), doravante denominado(a) DEVEDOR(a), e de outro lado (nome), (nacionalidade), (estado civil), (profissão), inscrito(a) no CPF sob o nº (informar) e no RG nº (informar), residente e domiciliado(a) à (endereço), doravante denominado(a) CREDOR(a), ajustam o presente termo de acordo, com efeitos de confissão de dívida, que vigorará pelas condições seguintes.

1ª. O(a) DEVEDOR(a) reconhece que possui uma dívida para com o(a) CREDOR(a) decorrente de(a) (especifique a negociação que originou a dívida, como a aquisição de um bem, serviço prestado ou empréstimo).

2ª. A dívida mencionada será paga pelo(a) DEVEDOR(a) ao(à) CREDOR(a) na importância de R$ X.XXX,XX (valor por extenso), em 10 (dez) parcelas iguais, mensais e sucessivas de R$ XXX,XX (valor por extenso), com vencimento todo dia 05 de cada mês, a iniciar em (data) e encerrar em (data), mediante depósito na conta bancária do(a) CREDOR(a), junto ao Banco (informar) (número), agência (informar), conta corrente (informar).

3ª. O não pagamento das parcelas no prazo previsto acarretará a incidência de juros de mora de 1% (um por cento) ao mês e atualização monetária pelo INPC, além de multa de 5% (cinco por cento), sobre o valor devido.

4ª. A inadimplência de 02 (duas) parcelas consecutivas importará no vencimento antecipado das parcelas vincendas, com a incidência imediata da multa pelo total do débito, sem prejuízo dos juros e correção monetária.

5ª. A eventual tolerância do(a) CREDOR(a) em qualquer atraso ou descumprimento da obrigação será mera liberalidade, não sendo considerada modificação das condições deste termo, que permanecerão em vigor para todos os efeitos.

E, por estarem justas e avençadas as partes, assinam o presente instrumento em 02 (duas) vias de igual teor, na presença das testemunhas abaixo.

(município) - (UF), (dia) de (mês) de (ano).

(assinatura)
(nome do(a) devedor(a))

(assinatura)
(nome do(a) credor(a))

(assinatura)
(nome da testemunha) - Testemunha
CPF nº (informar)

(assinatura)
(nome da testemunha) - Testemunha
CPF nº (informar)



Não deixe de conferir todos os modelos e usar o que mais se adequar à realidade da sua empresa e sua operação. Configure em seu sistema o modelo incluindo os coringas necessários para a versão final do seu Termo de Acordo fique personalizado com os dados e informações do seu cliente.

Por hoje é só! 


Sistema de Cobrança

quinta-feira, 26 de agosto de 2021

A LGPD no uso do CEDRUS

A LGPD no uso do CEDRUS


By Equipe CEDRUS - 26/08/2021


A LGPD é a Lei Geral de Proteção de Dados (13.709) entrou em vigor no Brasil em 13 de setembro de 2020 e foi inspirada na GDPR (General Data Protection Regulation) da União Europeia. A LGPD estabelece diretrizes obrigatórias para coleta, processamento e armazenamento de dados pessoais dos cidadãos(ãs) pelas empresas. 

Considera-se “dados pessoais” todas as informações que possam identificar uma pessoa. Por isso, as empresas que para operarem retêm alguma informação sobre seus consumidores(as), precisam pedir sua autorização, informar a finalidade e, principalmente, assegurar que as informações estão armazenadas de forma segura, de modo a impedir que terceiros utilizem ilegalmente estas informações pessoais. Por exemplo, o e-mail que você forneceu para seu médico não pode ser utilizado para que um laboratório farmacêutico envie promoções. 

Os principais objetivos da lei são:

    • Assegurar o direito à privacidade e à proteção de dados pessoais dos usuários.
    • Estabelecer regras claras sobre o tratamento de dados pessoais.
    • Fortalecer a segurança das relações jurídicas e a confiança do titular no tratamento de dados pessoais, garantindo a livre iniciativa, a livre concorrência e a defesa das relações comerciais e de consumo.
    • Promover a concorrência e a livre atividade econômica, inclusive com portabilidade de dados.


Quem está sujeito à LGPD?


Todas as atividades realizadas ou pessoas que estão no Brasil. A norma vale para coletas operadas em outro país, desde que estejam relacionadas a bens ou serviços ofertados a brasileiros, ou que tenham sido realizadas no país. (Fonte: Agência Brasil)


A que se refere o tratamento de dados? 

 
Segundo a Lei, “toda operação realizada com dados pessoais, como as que se referem a coleta, produção, recepção, classificação, utilização, acesso, reprodução, transmissão, distribuição, processamento, arquivamento, armazenamento, eliminação, avaliação ou controle da informação, modificação, comunicação, transferência, difusão ou extração”. 

Por isso, é uma dúvida comum como o CEDRUS - por ser um sistema de gestão em cobrança que acolhe informações internas da empresa e também de seus clientes, e no caso de assessorias de cobrança, dados dos clientes de seus clientes -  está adequado à LGPD. Informamos que sim, a RDZ Sistemas está atualizada quanto à LGPD e informa sobre isso no capítulo 9 do contrato de prestação de serviços, exatamente nas cláusulas 9.3 e 9.4: 

Sobre o tema, temos no contrato do sistema CEDRUS no site através dos Termos de Uso, o capítulo 9 "SIGILO E CONFIDENCIALIDADE" que versa sobre o tema da LGPD, especialmente nas cláusulas 9.3 e 9.4

9.3. É obrigação da CONTRATADA manter e seguir rigorosamente uma Política de Privacidade e Segurança do Sistema, respeitando o sigilo sobre as informações fornecidas por seus usuários, tanto para seu cadastramento, quanto na utilização de suas funções,sob pena de arcar com as penalidades previstas neste instrumento e sob a legislação vigente, destacadamente à LGPD. 

9.4. Não obstante as responsabilidade aqui dispostas, a CONTRATADA obriga-se por si, por seus sócios, administradores, funcionários, prepostos, contratados ou subcontratados a manter, durante o prazo deste Contrato e após o seu término, o mais completo e absoluto sigilo com relação a toda e qualquer informação, independente de sua natureza, referente às atividades do CONTRATANTE e/ou de suas subsidiárias, coligadas ou controladoras, bem como das unidades integrantes de sua rede franqueada, das quais, eventualmente, venham a ter conhecimento ou às quais, eventualmente, venham a ter acesso por força do cumprimento do presente Contrato, não podendo, sob qualquer pretexto, utilizá-las para si, divulgar, revelar, reproduzir ou delas dar conhecimento a terceiros, responsabilizando-se, em caso de descumprimento da obrigação assumida, por eventuais perdas e danos e sujeitando-se às cominações legais, especialmente à luz da LGPD.


Confira os Termos de Uso do sistema CEDRUS na sua íntegra aqui:


Agora você já sabe um pouco mais sobre a LGPD. Para atualizar-se ainda mais sobre seus impactos em sua atividade específica, não deixe de conhecer os conteúdos:

Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais na íntegra:

As orientações do Sebrae para adequação à LGPD para pequenas e médias empresas:

Entenda o que muda com a Lei Geral de Proteção de Dados:



Sistema de Cobrança

quinta-feira, 12 de agosto de 2021

Modelos de recibo de pagamento

Modelos de recibo de pagamento


By Equipe CEDRUS - 12/08/2021


Recibo e nota fiscal são coisas diferentes, você sabia? O recibo apenas é um comprovante de pagamento ou recebimento de receitas. Enquanto que a Nota Fiscal comprova a realização de um ato comercial da prestação de serviço ou venda de produto. 

Na Gestão da Cobrança, utilizamos recibos para comprovar o pagamento de valores e parcelas pagas pelos devedores. São emitidos então por quem recebe, seja a empresa que ofereceu o crédito, ou a assessoria de cobrança que atende esta carteira de clientes em processo de sair da inadimplência.

A emissão dos recibos tende a ser rápida e prática, e fazem muita diferença na hora organizar os recebimentos. Por isso, é necessário ter alguns modelos de recibos à disposição no seu sistema de cobrança, para usar conforme for necessário. É bem comum salvar alguns modelos com palavras-chave e depois escolher a melhor opção de acordo com o caso. Só então, deve-se completar com as informações do cliente e valores recebidos. Ensinamos a fazer isso no Cedrus aqui e aqui (item 4). 

Vamos agora aos modelos de recibos que recomendamos que você tenha salvo no seu sistema de cobrança. Também vale se inspirar nestes modelos e criar suas próprias versões!  


1. Simples

 #LOGO#

RECIBO DE PAGAMENTO

Recebemos de #DEVEDOR#, inscrito no CPF sob o n. #CNPJ_CPF_DEVEDOR#, residente e domiciliado(a) no endereço: #ENDERECO_DEVEDOR#, a quantia e #VALOR_PAGO# (#VALOR_PAGO_EXTENSO#), referente ao valor total do acordo #CODIGO_NEGOCIACAO# com a #CREDOR#.

Personalize sua cidade #DATA_EXTENSO#

Assinatura

#NOME_USUARIO# (responsável pela emissão do recibo)

Empresa: Insira nome da sua empresa
Dados da empresa
Contato: e-mail, telefone, etc.


2. Parcial


Mesmo que a dívida não for parcelada, na negociação pode ficar acordado que o devedor(a) pagará um montante agora e outro daqui alguns dias ou semanas, por isso é interessante deixar isso claro no recibo, desta forma: 

#LOGO#

RECIBO DE PAGAMENTO PARCIAL

Recebemos de #DEVEDOR#, inscrito no CPF sob o n. #CNPJ_CPF_DEVEDOR#, residente e domiciliado(a) no endereço: #ENDERECO_DEVEDOR#, a quantia e #VALOR_PAGO# (#VALOR_PAGO_EXTENSO#), referente à parcela #PARCELA# do acordo #CODIGO_NEGOCIACAO# com a #CREDOR#.

 
Personalize sua cidade #DATA_EXTENSO#


#NOME_USUARIO# (responsável pela emissão do recibo)

Empresa: Insira nome da sua empresa
Dados da empresa 
Contato: e-mail, telefone, etc.


3. Pagamento de mais de uma parcela


Alguns acordos com devedores podem resultar na antecipação do pagamento de algumas parcelas, ou, no pagamento acumulado de parcelas passadas, acordadas anteriormente. Por isso, o recibo de pagamento deve possuir essa informação de forma explicativa e completa, como no exemplo: 

#LOGO#

RECIBO DE PAGAMENTO 

Recebemos de #DEVEDOR#, inscrito no CPF sob o n. #CNPJ_CPF_DEVEDOR#, residente e domiciliado(a) no endereço: #ENDERECO_DEVEDOR#, a quantia de #VALOR_PAGO# (#VALOR_PAGO_EXTENSO#), referente às parcelas #PARCELA_RECIBO_PAGTO# do acordo #CODIGO_NEGOCIACAO# com a #CREDOR#. 

Personalize sua cidade #DATA_EXTENSO#


#NOME_USUARIO# (responsável pela emissão do recibo)

Empresa: Insira nome da sua empresa
Dados da empresa 
Contato: e-mail, telefone, etc.


Outra forma de escrever o pagamento de parcelas ou de mais de um título poderia ser:


#LOGO#

RECIBO DE PAGAMENTO 

NOME: #DEVEDOR#
CNPJ/CPF: #CNPJ_CPF_DEVEDOR#
CREDOR: #CREDOR#

O presente RECIBO refere-se à negociação dos títulos abaixo com o credor descrito no início do documento:

#TITULO_RECIBO_PAGTO#

Abaixo, informamos o valor pago, o número da parcela e a data de pagamento:

#PARCELA_RECIBO_PAGTO#

Personalize sua cidade #DATA_EXTENSO#

#NOME_USUARIO# (responsável pela emissão do recibo)

Empresa: Insira nome da sua empresa
Dados da empresa
Contato: e-mail, telefone, etc.


Não se esqueça de ter sempre duas vias do recibo, uma para quem paga, outra para quem recebe. Além disso, eles devem ser armazenados em segurança para controle financeiro e consultas futuras. Se o recibo foi digital (emitido por meio eletrônicos) confira se o backup do seu sistema e dos seus arquivos está em dia, se o recibo foi impresso, fique sempre com o canhoto ou segunda via guardado em local seguro e organizado. 

Para evitar confusões, os dados todos devem ser preenchidos com atenção, sobretudo os valores pagos em parcelas, as parcelas a que o pagamento se refere e, claro, a data do pagamento!

Agora você sabe um pouco mais sobre recibos e tem modelos para se inspirar e criar os seus no seu sistema de cobrança! 

Até a próxima!



Sistema de Cobrança

quinta-feira, 29 de julho de 2021

Crédito e Cobrança na prática: controles simples para garantir seu fluxo de caixa

Crédito e Cobrança na prática: controles simples para garantir seu fluxo de caixa



By Equipe CEDRUS - 29/07/2021


Você sabe o quanto suas vendas à prazo impactam seu fluxo de caixa? Você tem ideia de que ao vender a prazo para um novo cliente está emprestando dinheiro para um desconhecido? No mundo do empreendedorismo algumas operações financeiras parecem tão automáticas que não paramos para pensar no que na prática significa planejar, gerir fornecedores, produção e estoque, cobrar e manter o relacionamento com os clientes

Hoje vamos mostrar cinco ferramentas de controles de gestão que são verdadeiras aliadas das equipes de cobrança. Toda venda que não é paga à vista é uma operação de crédito. Se o seu cliente retira uma mercadoria sua e não paga o combinado na data combinada, você está financiando este cliente. A não ser que sua empresa seja uma empresa de crédito, ou que você tenha um fundo milagroso e milionário para arcar com a inadimplência, é preciso acompanhar o quanto suas vendas a prazo não atrapalham o seu fluxo de caixa causando desequilíbrio na saúde financeira de seu negócio. 

Vamos ver como empresários(as) podem acompanhar indicadores de gestão de forma a alcançar a sustentabilidade econômica da sua empresa:  


1. Defina seu portfólio de produtos e precifique de forma inteligente


Não é uma questão de ser estraga-prazeres e nem de não incentivar a inovação, mas, procure oferecer produtos e serviços que sejam familiares para você. Que sua equipe possua experiência e em caso de crescimento de demanda, você saiba que fornecedores procurar para atender a demanda. Caso queira arriscar para outras áreas, não se esqueça de estudar o mercado. 

O preço de cada produto ou prestação também deve possuir uma margem confortável de operação e lucro, caso contrário você paga para trabalhar. E não costuma ser esse o objetivo das empresas, certo? Também não é recomendado crescer os preços sem medida, uma boa margem de lucro pode vir do volume alto de vendas baratas e não do volume baixo de vendas caras. Em outras palavras: foco no lucro, tanto na oferta de produtos quanto no quanto você cobra por eles. 


2. Disponibilize o prazo de acordo com uma tabela de crédito


Na ânsia de querer mais clientes, não perder a venda ou cobrir alguma oferta concorrente, alguns(as) empreendedores aceitam formas de pagamento que nem sempre favorecem seu negócio. Não tenha medo de ser conservador(a) para manter seu capital de giro saudável. Com base no seus clientes atuais e no prazo que você possui com seus fornecedores defina uma regrinha interna para concessão de crédito, por exemplo:

    • cliente novo: preferencialmente a vista; se for a prazo, cobra-se mais na primeira parcela e o restante do valor é dividido em duas ou três vezes;
    • cliente que compra pela segunda vez: 30% a vista e três ou quatro parcelas com o restante;
    • cliente fiel que não possui atrasos no histórico: parcelar com tranquilidade, mas sem descuidar das datas de vencimento, enviar lembretes;
    • cliente fiel com alguns atrasos: mesma medida que tomamos com clientes que compram pela segunda vez

Este é um exemplo para concessão de crédito para sua empresa. Somente você, sua equipe de vendas e de cobrança que poderão desenhar qual política se aproxima mais da sua realidade, principalmente em relação com as suas obrigações com seus fornecedores, parceiros, folha de pagamento, impostos e taxas, etc. 


3. Exercite a previsibilidade das entradas e saídas do seu negócio


A sua equipe ou o escritório que você contrata a parte, trabalham para você, não para o Governo. Por isso, além de ficar com o Fisco em dia, estude todas as informações financeiras que são geradas! Utilize os relatórios do seu contador(a) a seu favor. Alguns indicadores precisam ser observados diariamente, como o Fluxo de Caixa, que mostra as entradas e saídas de receita da empresa. 

Observe essas informações por um período, procure por padrões e por picos de crescimento ou grandes quedas de venda, exercite a previsibilidade para saber se seu negócio tem recebido mês a mês os valores necessários para mantê-lo em funcionamento. Estas informações registradas de forma estruturada permitem projetar o comportamento do mercado e antecipar problemas. Ao prever o saldo de caixa a cada dia por um período você antecipa o problema e trabalhar hoje para resolver. 

Se você controlar o caixa diariamente poderá acompanhar as contas a pagar e, principalmente, as contas a receber, ativando seu time de cobrança antes que as dívidas dos clientes virem uma bola de neve. 


4. Não subestime a DRE e aprenda a calcular a PMR


Decifrando a sopa de letrinhas: DRE significa Demonstração de Resultado do Exercício e PMR é a sigla para Prazo Médio de Recebimento.

A DRE é um dos relatórios gerenciais obrigatório para empresas brasileiras, exceto MEIs (microempreendedores individuais), que mostra desde a Receita Bruta até o Lucro Líquido de uma empresa no período desejado. Se nos resultados apurados você observar que seus custos e despesas estão maiores que o faturamento, seu lucro é negativo. Mesmo que a situação esteja positiva, a DRE não mostra mês a mês se tem dinheiro em caixa, principalmente por conta das vendas à prazo, mas, mostra essa situação geral da sua empresa. Se ela roda no positivo, ou no negativo, se está gerando mais caixa do que consumindo, ou consumindo mais do que está gerando. 

Já a PMR é um cálculo que mostra o quanto você acaba por receber por mês dentre as vendas a isto e a prazo para aquela data. 

PMR = contas a receber / média de vendas mensal x 365

Feito o cálculo, observe que:

    • se o que você tem a receber representa três vezes o que vende por mês, significa que seu prazo médio de recebimento está muito alto;
    • se o seu valor a receber representa 10% do que você vende no mês está mais adequado para sustentabilidade da sua empresa. 

Mas atenção: negócios com prazos muito longos de realização ou entrega tendem a possuir um Contas a receber mais alto. Mas isso varia muito da sua área de atuação, o que não vale é financiar seu cliente de forma insustentável. 


5. Acompanhe suas vendas até a quitação!


É imprescindível registrar e acompanhar as datas de vencimento de cada compra a prazo que você autoriza. Estas informações precisam ser controladas sempre e de forma estruturada, como uma planilha dinâmica ou por um sistema ERP. 

Sua organização precisa de um(a) responsável por esse acompanhamento e pela configuração de alertas em caso de atrasos nos pagamentos dos clientes. Além de responsabilidade é preciso rotina e uma política de cobrança para saber o que fazer em cada situação. 

Se um mercado é muito disputado, ou os clientes possuem um giro muito dinâmico, acarretando na dificuldade de pagamento, você como fornecedor precisa antecipar essas crises. Sabemos que os clientes priorizam os fornecedores que cobram mais. Algumas vezes o atraso nem é dificuldade de receita, mas devido ao esquecimento ou mesmo devida a perda do boleto. Uma falha de tecnologia ou comunicação. 

Por isso, se você já sabe que um boleto do seu cliente que vai vencer daqui a sete dias, antecipe-se e avise-o dessa futura cobrança, um simples lembrete.  Alguns atrasos são normais, mas precisam ser gerenciados também. É interessante estabelecer um calendário de cobrança com a definição do que fazer a cada atraso, a famosa Política de Cobrança que sempre falamos por aqui. 


6. Dica bônus: o cliente prioriza os fornecedores que cobram mais rápido. Seja profissional. 


A cobrança é mais uma etapa do relacionamento da sua empresa com o seu cliente. Na dúvida, trate como você gostaria de ser tratado. Isso significa deixar claro que sua empresa está acompanhando a venda e o pós venda, está monitorando as datas de vencimento de cada parcela combinada. Isso mostra para o cliente que você está preocupado com sua receita e vai priorizar esse pagamento com você.  

Desde o primeiro dia de atraso, adote medidas administrativas de combate à inadimplência, pois isso mantém o relacionamento com o cliente ativo e te ajuda a entender melhor as razões do atraso e quais as possibilidades de negociação.

Se as medidas administrativas não surtirem efeito, existem as medidas jurídicas. Mas sempre tendo em mente que elas são mais lentas e têm um custo maior. 

Combinado não sai caro!

Hoje conferimos como o planejamento, acompanhamento da venda e cobrança consciente fazem a diferença na sustentabilidade financeira de uma empresa. Acompanhar o Fluxo de Caixa e monitorar os prazos de vencimento das vendas à prazo tem que ser diário. Somente assim você e sua equipe poderão antecipar-se a crises de pagamento. Lembre-se que você também tem responsabilidades com seus fornecedores, funcionários, impostos e taxas.  

Se ficou alguma dúvida, deixe nos comentários! Também recomendamos assistir à palestra “Crédito e Cobrança na prática: controles simples para garantir seu fluxo de caixa” em nosso canal no Youtube.

Até a próxima!



Sistema de Cobrança

quarta-feira, 14 de julho de 2021

Repasse da forma de pagamento para devedor

Repasse da forma de pagamento para devedor

By Equipe CEDRUS - 14/07/2021


Temos mais uma novidade para você, usuário(a) Cedrus!

A partir de agora nosso sistema automatiza o repasse, para o devedor, do custo da forma de pagamento escolhida por ele. Conheça o passo a passo para efetuar o cadastramento e efetuar a negociação com o repasse da despesa.

Para cadastrar o repasse acesse o Menu Configurações > Cadastros > Forma de Pagamento > escolha a forma de pagamento que deve conter o repasse e clique em "Editar''. 



Nesta tela você tem duas opções:

  1. Despesa: neste caso esse valor é reembolsado pelo Credor na prestação de contas.
  2. Taxa de Cobrança: cobrada do devedor em cada parcela do acordo. (por exemplo, taxa pela geração do boleto, ou por escolher outra forma de pagamento)

Para repassar a Taxa de Cobrança para o devedor inclua o valor ou percentual na segunda opção (Taxa de Cobrança) e clique em “Salvar”.  Desta forma o sistema já disponibilizará o valor de repasse em cada parcela no momento do acordo.

Veja agora como aparecerá o repasse da taxa na tela de acordos:




Aqui na tela de Acordos, incluímos um novo campo chamado “Taxa de Cobrança”. Lembre-se que a taxa de cobrança está atrelada à forma de pagamento, então ela aparecerá se a forma escolhida estiver o cadastramento efetuado de repasse na tela de “Cadastro de Forma de Pagamento”, como vimos na primeira imagem.

Caso a taxa de cobrança não deva ser repassada em um determinado acordo, basta excluir o valor no campo “Taxa de Cobrança” e depois clique no botão “Calcular”. Desta forma a taxa não será lançada nas parcelas. 




Viu como ficou simples?

Prestação de Contas


O repasse da taxa para o devedor tem impacto no relatório de Prestação de Contas, se a sua empresa faz cobrança para terceiros e, se, hoje você usa o relatório de Prestação de Contas do CEDRUS essa informação é importante para sua empresa.

Se a taxa não deve ser repassada ao credor, ou seja, o valor da taxa deve ficar por conta da sua empresa, é importante configurá-la como parte da sua comissão. 

Para efetuar esta configuração acesse a tela de cadastro de comissões no Menu Configurações > Cadastro > Credor > escolha o credor e clique em editar > depois escolha a aba Configurações > escolha a faixa de comissão e clique em editar




Inclua no campo “% Taxa” o percentual da taxa que deve ficar para sua empresa. Por exemplo, se 100% do valor da taxa repassada deve ficar para a sua empresa,  preencha no campo 100%. 

O Relatório de Prestação de Contas também conta com dois novos campos:

  1. VL_TAXA:  este campo demonstrará se a parcela paga teve a cobrança de uma taxa.
  2. VL_COMISSAO_TAXA: neste campo é possível visualizar qual a sua comissão sobre a taxa cobrada. 

Agora você já sabe como efetuar o repasse da forma de pagamento para o devedor.


Importante: o repasse da taxa da forma de pagamento é um assunto bastante polêmico, pode ser considerado abusivo ao contrariar o estabelecido no Código de Defesa do Consumidor em determinadas situações, por isso certifique-se que o seu processo de cobrança permite este tipo de repasse, desta forma você evitará qualquer questionamento jurídico sobre o tema. 

Separamos aqui alguns links que falam sobre a cobrança da taxa do boleto:

- LEI Nº 14.463, de 25 de maio  de 2011
- CDC - Artigo 51 da Lei nº 8.078 de 11 de Setembro de 1990
- Procon Paraná sobre o Repasse do Custo do Boleto


Até mais!



Sistema de Cobrança

quinta-feira, 8 de julho de 2021

Cobrança devida, indevida e o direito do consumidor

Cobrança devida, indevida e o direito do consumidor
By Equipe CEDRUS - 08/07/2021

O CDC (Código de Defesa do Consumidor) é uma lei nacional de 1990 que dispõe sobre a proteção ao consumidor. Ou seja, ele regulamenta as relações de consumo em todas as esferas: civil, administrativa e penal. Estão no CDC as responsabilidades das empresas e os direitos dos consumidores, em uma relação de consumo, bem como os mecanismos para a reparação de danos causados aos consumidores. 

O Código de Defesa do Consumidor não é o inimigo do empresário. E existem duas maneiras dele se beneficiar dessa lei que muitos temem:

  1. recorrendo aos seus artigos quando estiverem em uma relação de consumo desfavorável;
  2. utilizando o CDC como padrão de qualidade em venda e prestação de serviços. 

Em seu artigo 2º o Código de Defesa do Consumidor define que “Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final”. Isso significa que se a sua empresa adquire um produto ou serviço e ela mesma é a destinatária final dele, você pode utilizar o CDC como proteção caso tenha um problema de entrega, contrato, cobrança indevida e abusiva e etc. Para saber mais sobre isso, recomendamos este artigo aqui do Idec, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. 

O Código pode ser um verdadeiro manual de boas práticas seja qual for o ramo da sua empresa, afinal, ele equilibra as relações de consumo, protegendo o consumidor de erros, enganos e em alguns casos até má fé das empresas. Praticar uma relação de consumo justa é uma forma de fidelizar o seu cliente. Pode parecer estranho pensar que uma relação de consumo é desigual entre pessoas e empresas. Mas, vamos tentar analisar isso. 

Enquanto uma empresa possui mais de uma pessoa para pensar nos produtos, prover formas de venda e pagamento, fazer a entrega, atendimento, acompanhar a regulamentação do setor, etc. O consumidor é uma pessoa só (ou o responsável por uma família) que consome produtos e serviços de vários setores. É  muito mais simples para a empresa saber que está fazendo algo errado, do que para o consumidor saber que foi abusado. 

Uma das formas de causar danos aos consumidores é com a cobrança. Mais uma vez o CDC ao dar normas para cobrar os consumidores, mesmo os inadimplentes, ajuda os(as) empresários(as) a desenhar boas práticas nessa área. 

No CDC, a cobrança é abordada no Capítulo 5, Seção V. São somente dois artigos, mas com base neles, muitas lições podem ser tiradas:


Art. 42. Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será exposto a ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça.
Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável.

Art. 42-A.  Em todos os documentos de cobrança de débitos apresentados ao consumidor, deverão constar o nome, o endereço e o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas – CPF ou no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica – CNPJ do fornecedor do produto ou serviço correspondente. (Incluído pela Lei nº 12.039, de 2009)


Muito bem, a cobrança é devida, quando configura-se uma compra ou prestação de serviço, o fornecedor emite um boleto, recibo ou nota fiscal para cobrar esse cliente. A cobrança é indevida quando todo esse processo é feito sem que esteja firmada a relação de consumo, por exemplo, enviar um boleto de cobrança para o CPF e/ou endereço errado, cobrando a pessoa errada por um serviço de instalação de cabo de internet; ou também é indevida a cobrança em dobro: um consumidor pagou a tarifa de água, luz, gás, etc, e a concessionária perdeu esse comprovante de pagamento, ou, por um erro, emitiu um novo boleto e cobrou novamente o consumidor. Outra situação que pode acontecer é a de cobrar errado, então, a cobrança começa como devida, para o cliente certo, por conta de um serviço combinado, porém, o valor é maior do que o ofertado. 

Diferente da cobrança indevida é a cobrança abusiva. Isso acontece quando não não respeitados os horários e descanso e trabalho do consumidor, quando a cobrança vem por meio de uma ligação telefônica sem respeitar a privacidade do consumidor, ou seja, ligando em local de trabalho, deixando recados com colegas de trabalho, chefes ou familiares, ou comunicando de forma ameaçadora sobre o corte de serviços por falta de pagamento, a inclusão do CPF em órgãos de proteção ao crédito ou a apreensão do bem. 

Por isso, a cobrança precisa ser séria, clara, organizada e eficiente. Partindo do bom senso, da empatia e fazendo uso das ferramentas corretas. Como disse Pedro Horta “Cobrança é um talento, assim como a venda”. Com uma política de cobrança bem definida e amparada por todas as leis que tangem o direito do consumidor e a área de atuação da sua empresa, sua empresa tem mais chances de converter títulos não pagos em clientes fidelizados! 

Se quer saber mais sobre esse assunto, pode assistir à palestra do Dr. Pedro Horta em nosso canal no Youtube


Por hoje é só! Até a próxima!



Sistema de Cobrança

segunda-feira, 28 de junho de 2021

Ligações mais ágeis: Clique para discar com o VOIP no CEDRUS

Ligações mais ágeis: Clique para discar com o VOIP no CEDRUS


By Equipe CEDRUS - 28/06/2021


Você sabia que a partir de agora você pode otimizar ainda mais as suas ligações em nosso sistema de cobrança?

Sim, estamos falando em ganhar tempo nas ligações: se hoje você usa a tecnologia VOIP na sua empresa para efetuar as ligações e o seu fornecedor disponibiliza o Click to Call, podemos integrar o seu VOIP ao CEDRUS e fazer as chamadas diretamente pelo sistema. 

Atenção: Não estamos falando de discador automático e sim clicar para discar. A ligação acontece a partir da tela de cadastro do devedor, basta escolher um dos números para efetuar a ligação, ou seja, o CEDRUS chama a API do Sistema VOIP que  faz uma chamada para o telefone do devedor e para o ramal do operador, basta escolher o número e clicar no ícone de telefoninho, como na imagem abaixo.




O Click to call é um termo em inglês que traduzido ao pé da letra significa “Clique para Ligar”, consulte se a empresa que presta ou prestará o serviço de VOIP para você, está pronta para disponibilizar a API, o Token e a URL para efetuarmos a integração. 


Pontos positivos:

    • o uso da tecnologia Voip tende a reduzir custos com a telefonia e integrar as ligações com outros serviços;
    • com a ferramenta Click to Call o operador escolhe o número e o Sistema efetua direciona a ligação, deixando o processo mais prático e simples;
    • Sem novos equipamentos: para o Click to Call não é necessário investir em equipamentos extras.


Importante: se você já trabalha com VOIP e se interessou pela integração, verifique se a empresa tem o “Click to Call” (talvez eles usem outro termo, mas a finalidade é a mesma). O  importante é que se disponibilize a API, URL e Token. Depois abra um chamado no Sistema Cedrus para informarmos os próximos passos e caminharmos com a integração.


Agora você conhece mais esta novidade do CEDRUS e pode melhorar ainda mais os seus processos de cobrança.


Até mais!



Sistema de Cobrança


Copyright © RDZ Sistemas - Sistema de Cobrança
Bloggertheme9